#solares366

youthlab-solares366-6Chega o sol e um pouco por todas as zonas comerciais começa a ser mais frequente ver expostos os protetores solares nas prateleiras. Na verdade estes não deverão ser usados apenas no verão, mas sim ao longo de todo o ano. Os números falam por si mesmos, algo como cerca de 11 mil novos casos de cancro de pele (segundo dados da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo) que surgem em Portugal por ano, sendo dos tipos de cancro mais comum no nosso país. Tendo isto em conta, eu e outras bloggers fomos desafiadas pela YouthLab para um projeto de sensibilização sob o tema #solares366 para dar conta de como é importante a utilização de protetores solares não só no verão mas ao longo de todo o ano.

A verdade, é que sem nos aperceber continuamos expostos às radiações diariamente e não apenas nos meses de verão quando vamos à praia. E é aqui que o protetor solar toma um importante papel, sobretudo na prevenção de escaldões e envelhecimento precoce da pele. Mas como na verdade nos podem proteger? E de quê?

UVA e UVB

É importante saber, aquilo que muitos de vocês já deverão estar cansados de saber, que o espectro solar, não é apenas a luz vísivel mas é também composto por outras radiações “mais fracas”, como os infravermelhos, mas também outras “mais fortes” como a radiação UV (ultravioleta). Dentro dos UV encontramos os famosos UVA e UVB, que tantas vezes vemos escritos nos rótulos. Os UVB comportam mais energia que os UVA, sendo que induzem o aparecimento de eritemas e danos diretos no ADN. A radiação UVA é normalmente associada ao bronzeamento rápido e ao fotoenvelhecimento, podendo afetar também indiretamente o ADN devido à formação de espécies reativas.

Filtros Físicos vs. Químicos

Vários são os ingredientes que poderão ser encontrados nos protetores. Alguns comuns a vários são Óxidos como o Óxido de Zinco, mais indicado sobretudo para proteção UVA e o Dióxido de Titânio, que confere uma proteção mais eficaz dos UVB e com um alto índice de reflexão. Estes são os típicamente chamados protetores físicos, já que eles atuam refletindo as radiações. Normalmente este tipo de protetores não causam alergias.
Quanto aos químicos, estes tem uma diferente forma de atuar e são também inúmeros os componentes. Aqui a radiação ao incidir, reage com o protetor aplicado, ficando por isso “mais fraca” i.e. com menos energia que poderá ser transformada em calor.

in J Am Acad Dermatol 2011;64:748-58

Claro que muito mais haveria para dizer sobre os protetores solares mas espero que este pouco que descobri e partilhei convosco sirva para alertar e tomar consciência de como é realmente importante a proteção solar não apenas no verão mas ao longo do ano. Além disso podem consultar aqui alguns cuidados a ter para proteger do Sol. Ficam também algumas sugestões de solares que podem encontrar, sobretudo em farmácias para se manterem protegidos ao longo de todo o ano seja qual for a vossa preferência.

One Comment

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *